18 de maio de 2014

52 ASSEMBLEIA GERAL DOS BISPOS DO BRASIL - CNBB

A presidência da CNBB concedeu coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 9, após a cerimônia de encerramento de sua 52ª Assembleia Geral. Foi apresentado aos jornalistas um balanço desses dias de reunião e dos documentos aprovados pelos bispos.
O arcebispo de Aparecida (SP) e presidente da CNBB, Cardeal Raymundo Damasceno Assis, recordou que o tema central deste ano foi sobre a renovação das paróquias, o que deu origem ao texto “Rede de comunidades, uma nova paróquia”, com o subtítulo “conversão pastoral”. Ele informou que esse texto já havia sido estudado e aprofundado na última assembleia e agora passa a ser um texto oficial aprovado durante as reuniões deste ano. “Esperamos que esse documento realmente possa ajudar as nossas paróquias e comunidades a se tornarem cada vez mais missionárias, evangelizadoras”.
Outro documento aprovado foi o “Igreja e Questão Agrária brasileira no início do século XXI”, que começou a ser preparado em 2009, foi estudado e agora foi concluído. O texto aborda pontos importantes como a situação agrária no Brasil, o clamor dos pastores sobre as necessidades dos sem terra, dos quilombolas, dos povos indígenas, pequenos agricultores e tantos outros. Além disso, fala dos compromissos pastorais que são um apelo para que o poder público e a sociedade brasileira possam resolver de forma definitiva essa questão agrária no país.
A questão dos leigos também teve prioridade durante essa Assembleia. “Nossa reflexão evidenciou como leigos e leigas são agentes de transformação da vida da Igreja e da sociedade”, declarou o presidente da CNBB. Ele informou ainda que o texto de estudos sobre essa questão foi aprovado e será encaminhado às dioceses para aprofundamento e aprovação em uma assembleia futura.
E tendo em vista a próxima eleição, em outubro deste ano, a Assembleia aprovou e publicou uma mensagem para as eleições: Pensando o Brasil . “Um momento importante da democracia no nosso país. Esse texto fizemos convocando o brasileiro para que exerça o voto de forma consciente”.
O texto destaca alguns pontos, como a participação consciente nas eleições, conhecendo os candidatos para fazer uma escolha consciente. “O voto é uma maneira de colaborar para melhorar a situação do nosso povo”
Solidariedade
Na coletiva, também foi apresentada uma nota sobre a realidade do acolhimento dos imigrantes no Acre, texto em que os bispos da Conferência se solidarizam com as pessoas nessas situações.
“O cristão não pode ficar insensível diante do sofrimento de todos os imigrantes haitianos e de outras nacionalidades que chegam ao país (…) . O Brasil pode aumentar sua capacidade de acolhimento, pois é um dos países com menor percentual de acolhida de imigrantes no mundo”, diz um trecho do texto entregue aos jornalistas. A nota completa será divulgada posteriormente.
O secretário geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, também presente na coletiva, recordou o difícil momento que se vive com a vinda desses imigrantes e o auxílio que a Igreja tem dado. “As comunidades têm feito todo esforço de acolhida e alimentação e isso tem sido feito pela Igreja com um espírito fraterno extraordinário”.

PRELAZIA DE TEFÉ TEM NOVO BISPO

A Prelazia de Tefé está de parabéns, tem novo Bispo na pessoa do padre Fernando Barbosa dos Santos, CM. A ele nossos votos de fecundo apostolado nessa nova missão que a Igreja lhe confia. Bem vindo em nosso Regional.
Na manhã de hoje, 14, o papa Francisco nomeou bispo da vacante prelazia de Tefé (AM), o padre Fernando Barbosa dos Santos, atual pároco da paróquia Nossa Senhora dos Remédios, em Fortaleza (CE). A prelazia de Tefé (AM) estava vacante desde dezembro de 2012, com a transferência de dom Sérgio Eduardo Castriani para a arquidiocese de Manaus (AM).
Padre Fernando Barbosa dos Santos será o quarto bispo da diocese. Ele nasceu no dia 5 de março de 1967 na cidade de Sertânia (PE). Estudou filosofia no Instituto de Filosofia dos Salesianos em Recife (PE) e, em 1991, concluiu os estudos teológicos no Instituto Regional de Pastoral em Belém-PA.
O padre foi pároco na Paróquia de Santo Antônio, em 1996, na cidade de Quixeramobim (CE). Atuou como diretor em dois seminários: em 1997, no Seminário propedêutico da Província de Fortaleza; e de 2000 a 2003, no Seminário de Teologia São Vicente de Paulo, em Belém (PA).
Em 2002, participou de uma formação de espiritualidade Vicentina, em Paris, França.
Até 2013 atuou como coordenador do Setor Oeste na Região São José, na arquidiocese de Fortaleza e, atualmente, é assessor do centro de Juventude da região São José, também, na arquidiocese de Fortaleza.


A prelazia de Tefé é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica no Brasil, pertencente à arquidiocese de Manaus, e ao regional Norte 1 (Norte do Amazonas e Roraima) da CNBB.

28 de março de 2014

Comissão conclui texto sobre questão agrária


“A Igreja e a questão agrária brasileira” é um dos temas prioritários da 52ª Assembleia Geral (AG) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ontem, dia 27, a Comissão que prepara o texto que será apresentado aos bispos esteve reunida na sede da CNBB, em Brasília, para concluir o documento.
Desde 2013, a questão agrária é debatida pela Comissão, designada durante a 51ª AG. Antes disso, o tema foi estudado pelos bispos do Brasil, dando origem ao Estudo nº 99 da Conferência “Igreja e questão agrária no início do século XXI”.
No mês de dezembro de 2013, o texto foi enviado aos bispos de todo o país para contribuições, emendas e sugestões. Com a nova redação, será encaminhado novamente ao episcopado brasileiro. “Durante a Assembleia Geral o texto será votado e esperamos que seja aprovado”, afirma o presidente da Comissão Especial para o tema e arcebispo de Feira de Santana (BA), dom Itamar Vian.
O texto está divido em três partes: ver, julgar e agir. De acordo com dom Vian, a primeira parte aborda a realidade, envolvendo água, questões de terra, meio ambiente e situações de conflito. A segunda parte faz referência à Palavra de Deus, às orientações da Igreja e ao posicionamento dos papas quanto à questão. Na última parte estão as propostas dos bispos às comunidades do Brasil em relação ao tema. “O que nós queremos, como pastores, é que aconteça a partir da realidade, a partir dos documentos da Igreja, da Bíblia, de pronunciamentos do papa Francisco e de outros papas. Vamos sugerir caminhos para que o povo brasileiro possa ter uma vida de mais paz, mais serenidade com referência a questões tão graves como esta”, resume.

COORDENADORA DA PASTORAL CARCERARIA ESTADUAL E DIOCESANA PARTICIPA DE ENCONTRO NACIONAL

A coordenadora Diocesana e Estadual da Pastoral Carcerária participou nos dias 20 a 23 de março 2014 do Encontro Nacional dos Coordenadores Estaduais da Pastoral Carcerária. Objetivo do Encontro foi a avaliação institucional da Pastoral passando para a linha do tempo, colhendoto a riqueza e os desafios de uma trajetoria e ao mesmo tempo procurando delinear o perfil ideal da Coordenação Nacional, Estadual e Diocesana. 


Na celebração final do domingo contamos com apresença solicita e amiga de Dom Sérgio da Rocha, Arcebispo de Brasília que nos encorajou a continuar nesta caminhada profética a levar Jesus,  água da vida para tantos irmãos e irmãs que estão sedentos dela. Obrigado Dom Sérgio por suas palavras e presença paterna e fraterna.



O encontro foi conduzido por dois tecnicos facilitadores, a Ana e o Antônio que com maestria nos ajudaram a sistematizar a rica linea do tempo, os acontecimentos e os elementos importantes que iam aparecendo para nossa caminhada presente e futura.


Também foram enfrentados alguns temas de atualidade como a conclusão dos serviços na Coordenação Nacional da Heidi e do José. A eles nosso obrigado pelo trabalho desenvolvido. Entre as questões tratadas as da Assembleia Nacional eletiva em Belo Horizonte, a carta de apoio ao Pe. Bosco e Guiany, a carta ao Papa Francisco sobre a situação carcerária cada vez mais critica e desafiadora.


Participou  do mesmo encontro, na qualidade de Coordenador a Região Norte da Pastoral o Pe. Gianfranco. Os resultado deste trabalho que já tem um ano se verá nas atividades futura da Pastoral Carcerária. Um obrigado sincero a quem facilitou a possibilidade que isso pudesse acontecer. 



RETIRO ANUAL DOS PADRES DIOCESANOS

Foi necessária a maestria do Pe. Mario Filippi, padre diocesano da Arquidiocese de Trento - Italia, missionário na Diocese de São Gabriel da Cachoeira para guiar o retiro de nosso padres diocesanos juntamente com Dom Roque no Calungá. Até a vedete nacional Pe. Mauro parece ter gostado das colocações pé no chão do Pe. Mário, que logo depois de seu serviço, na mesma noite embarcou para Manaus e daí de volta para a sua paróquia de Santa Isabel. Obrigado Pe. Mario e boa missão!

RETIRO INACIANO EM CALUNGÁ

Estando aos comentários dos participantes a primeira experiência do retiro inaciano com o Pe, Natan foi excelente. Cada participante tinha seu roteiro de trabalho, muito silêncio e oração pessoal na casa regional dos Missionários da Consolata em Calungá. Houve quem não resistisse à gostosa pupunha... e as consequências se fizeram sentir. Mas apesar disso tudo correu bem. Bem hajam os primeiros corajosos que aceitaram o desafio desta experiência e logo no carnaval. Parabéns também ao Pe. Natan que com sabedoria conduziu os magificos 15.



Votos que a mesma experiência se possa multiplicar e assimfortalecer a missão e a vida de nossa Igreja Diocesana.



5 de março de 2014

COMEÇA HOJE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014


"Fraternidade e Tráfico Humano". Mensagem do Papa para a Campanha da Fraternidade 2014


No Brasil, com o início da Quaresma, a CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, lança oficialmente a Campanha de Fraternidade 2014, desta vez centrada no tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e tendo como lema a expressão paulina “Foi para sermos livres que Cristo nos libertou”. A quinquagésima edição desta Campanha anual prevê uma série de iniciativas de sensibilização, formação e oração, visando ajudar a compreender melhor o fenómeno do tráfico humano, para preparar “agentes pastorais” que sejam “antenas” nas comunidades empenhadas nesta luta. Só no Brasil, calcula-se que haja pelo menos 200 mil pessoas reduzidas à escravidão.
Como é tradição, o Santo Padre enviou uma mensagem de encorajamento e apoio a esta Campanha da Fraternidade. Afirma nomeadamente o Papa Francisco: “Não é possível ficar impassível, sabendo que existem seres humanos tratados como mercadoria! Pense-se em adoções de criança para remoção de órgãos, em mulheres enganadas e obrigadas a prostituir-se, em trabalhadores explorados, sem direitos nem voz, etc. Isso é tráfico humano! Impõe-se um profundo exame de consciência: quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado como um objeto, exposto para vender um produto ou para satisfazer desejos imorais? … Quem usa e explora mesmo indiretamente, uma pessoa humana, torna-se cúmplice desta prepotência” – adverte o Papa, evocando um seu discurso a um grupo de Embaixadores.
Papa Francisco lembrou também “a prepotência” que tantas vezes reina no interior das famílias: “Pais que escravizam os filhos, filhos que escravizam os pais; esposos que, esquecidos da sua chamada para o dom, se exploram como se fossem um produto descartável, que se usa e se joga fora; idosos sem lugar, crianças e adolescentes sem voz. Quantos ataques aos valores basilares do tecido familiar e da própria convivência social! Sim, há necessidade de um profundo exame de consciência. Como se pode anunciar a alegria da Páscoa, sem se solidarizar com aqueles cuja liberdade aqui na terra é negada?” – interroga-se o Papa Francisco, que concluiu chamando a atenção para o facto de que, só ofenda a dignidade humana de alguém quem perdeu o sentido da sua própria dignidade de filho e filha de Deus. A dignidade humana é igual em todo o ser humano: quando a piso no outro, estou pisando a minha. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou!”